José Padilha


José Bastos Padilha Neto (Rio de Janeiro1º de agosto de 1967) é um cineastaroteiristadocumentarista e produtor cinematográfico brasileiro. Graduado em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica, estudou Economia PolíticaLiteratura Inglesa e Política Internacional em OxfordInglaterra.

Fundou em 1997, com o fotógrafo e diretor Marcos Prado, a Zazen Produções. Seu primeiro roteiro produzido foi o documentário para a televisão Os carvoeiros, em 1999. Sua estreia como diretor de cinema foi no premiado documentário Ônibus 174, de 2002. Seu primeiro longa de ficção foi o sucesso Tropa de Elite, em 2007.

Em 2008, Padilha foi incluído na lista 10 Directors to Watch da revista Variety.

Ao lado de Fernando Meirelles, foi o primeiro diretor anunciado no projeto Rio, Eu Te Amo, da franquia Cities of Love.

Formou-se em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,[3][4] é neto de José Bastos Padilha, presidente do Clube de Regatas do Flamengo entre 1933 e 1937, falecido durante a construção do estádio que leva o seu nome o Estádio da Gávea.

rodutor e roteirista (1987-2000)

Foi produtor do filme Tanga: Deu no New York Times (1987), dirigido por Henfil, e trabalhou na viabilização financeira de Boca de Ouro, de Walter Avancini. Escreveu e produziu o documentário Os carvoeiros(1999), dirigido por Nigel Noble. Dirigiu e produziu ainda o documentário para TV, Os Pantaneiros.

Produziu Estamira, documentário dirigido por Marcos Prado, sobre uma mulher esquizofrênica que, por mais de duas décadas, trabalhou e viveu no lixão do Jardim Gramacho, em Duque de CaxiasRio de Janeiro.

Documentarista (2002-2005)

Seu primeiro longa-metragem como diretor, Ônibus 174 (2002) tenta reconstituir um episódio violento do Rio de Janeiro, o seqüestro de um ônibus que terminou em tragédia. [5]

Em 2005, iniciou a preparação de Fome, documentário sobre a trajetória de uma família mineira que mostra de que forma os indivíduos lidam com a fome no cotidiano.

Tropa de Elite e auge da carreira (2006-2010)

Em 2007, foi lançado Tropa de Elite, sua primeira ficção.[5] O filme, que foi pirateado quase dois meses antes da estreia, ganhou grande repercussão e estima-se que 11 milhões de pessoas tenham assistido ao DVD pirata. Nos cinemas, o filme conquistou o maior número de espectadores no Ranking nacional 2007. Em 15 de fevereiro de 2008 ganhou o Urso de Ouro, em Berlim, por Tropa de Elite.[6]

Em 2009, filmou Segredos da Tribo, em inglês Secrets of the Tribe, aonde Padilha expõe a guerra entre antropólogos por causa dos ianomâmi. O documentario apresenta um debate interessante sobre a comunidade científica e seus efeitos sobre os grupos que estuda ou uma visão superficial e reducionista da produção desses cientistas. O filme teve sua premiere no Sundance Festival de 2010. [7]

Em 2010, lançou Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora é Outro. O filme teve o maior público da história do cinema brasileiro para um filme nacional, com mais de 11 milhões de espectadores, batendo Dona Flor e Seus Dois Maridos.[8]

Atualidade (2011-2018)

Em 2014, Padilha dirigiu RoboCop, remake do filme homônimo de 1987.[9] No ano de 2012, José desmentiu afirmações feitas por seu amigo e também diretor Fernando Meirelles, que disse que as filmagens do remake de RoboCop estariam sendo a pior experiência de sua vida, porque o estúdio estaria lhe dando pouca liberdade criativa.[10]

Em 2015, Padilha dirigiu a série Narcos da Netflix, que conta sobre a ascensão de Pablo Escobar, o maior traficante da Colômbia, e dos esforços das DEA para derrubar seu cartel. No ano seguinte, prepara também para o serviço online uma série sobre a Operação Lava Jato, em parceria com Elena Soares, roteirista de Xingu, baseado no livro “Lava Jato: O Juiz Sérgio Moro e os Bastidores da Operação que Abalou o Brasil”, do jornalista Vladimir Netto[11], publicado em 21 de junho de 2016[12].